Sábado, 28 de Maio de 2005

Aula prática do dia 05/05/2005 (2º turno)

 

Resposta ao parágrafo 9 do texto de Durkheim “O Suicídio”


 


 


Aula prática do dia 05/05/2005 (2º turno)


 



TÓPICOS


 


IDEIAS


 


 


 


Conclusão: suicídio e coesão social


 


 


 


 


1ª. DADOS – indicadores de coesão religiosa: grau de livre exame, grau de liberdade individual; n.º de crenças e práticas comuns


 


2ª. CONCLUSÃO


                                                             confirma-se


Hipótese inicial à - coesão religiosa                            + taxa de suicídio


 


 


 


 


 


 


 


 


Imagine que Max weber era convidado para comentar este texto de Durkheim. Tendo em conta a sua definição de Sociologia, diga qual a sua posição.


 


DURKHEIM: Olá tudo bem? O que achas da minha teoria?


 


WEBER: Li o teu texto e não concordo com ele. Por várias razoes: a principal liga-se à forma como tu investigas. No teu lugar, eu partiria da percepção dos sujeitos sociais. Por isso partiria das percepções dos familiares dos indivíduos. Isto tem a ver também com o conteúdo da minha teoria: a importância da autonomia dos indivíduos.


 


 


 


Trabalho elaborado por:


 


Rosa Adriana – n.º 43918


 


Sociologia – 1º ano

Terça-feira, 24 de Maio de 2005

Aula teórica nº 11 - 24 de Maio de 2005 - Sumário: a conclusão do debate entre as duas opções metodo

Universidade do Minho
Curso de Sociologia - 1º ano - 2004/05
Metodologia - 2º semestre
Aula teórica nº 11 -
24 de Maio de 2005

Sumário: a conclusão do debate entre as duas opções metodológicas (quantitativa/qualitativa)

1. Os objectivos da metodologia quantitativa. Características, vantagens e desvantagens. Erros a evitar.

2. A metodologia qualitativa: a noção de validade. As críticas à metodologia qualitativa. Aspectos positivos. A análise de dados no qualitativo.

3. Alguns conselhos práticos na investigação qualitativa.

.

1ª Parte - A metodologia quantitativa:

Texto. Carlos Diogo Moreira, "A pesquisa quantitativa", in Carlos Diogo Moreira, Planeamento e estratégias da investigação social, Lisboa, ISCSP, 1994, pp. 149-160

Exemplos:
- o estudo de Durkheim sobre o suicídio na Europa;
- o estudo de Lazarsfeld sobre o voto eleitoral nos EUA.

 

 

Investigação primária: recolhem-se e analisam-se dados de fontes primárias (inquéritos, entrevistas, etc)

Análise secundária: dados oficiais tais como censos, relatórios, etc.

 

 

Na questão da opção pelo quantitativo, o mais importante define-se logo nos objectivos e no planeamento da investigação (logo a seguir à questão de partida). É aqui que a técnica do inquérito do questionário se torna central.

 

 

Este investimento na parte inicial da investigação, implica na parte final um trabalho muito menos complexo (ao contrário da metodologia qualitativa que não implica um trabalho inicial tão sistemático).

 

Os objectivos de uma pesquisa quantitativa podem ser:

1. descritivos (determinação de factos)

2.analíticos

2.1 teste de hipóteses

2.2 estabelecer relações entre variáveis

2.3 elaboração de modelos

 

 

O primeiro tipo - descritivo - é raro. Desenvolve-se mais na análise secundária de dados (ver o suicídio de Durkheim). Ou então com estudos mais ambiciosos.

 

 

No segundo tipo de objectivos (analíticos) começa-se por fazer uma distinção capital entre variáveis dependentes (as mais importantes na pesquisa) e as variáveis independentes, explanatórias ou referenciais.

 

2.1 teste de hipóteses – já se tem uma ideia de relação entre variáveis que se quer testar.

2.2 estabelecer relações entre variáveis – em vez de se formular hipóteses, espera-se que as relações entre variáveis apareçam na fase de análise. Acentua-se o carácter exploratório (alguma proximidade com a metodologia qualitativa)

 

 

É perigoso quando se tem amostras reduzidas: pode-se descobrir uma variação na amostra que não tem nada a ver com a população. Ex: o inglês falado em casa – o efeito da variável língua na aprendizagem (Moreira, 1994: 151). Solução: arranjar duas amostras diferentes (inglês e não-inglês).

Nesta componente analítica, pretende-se saber como uma variável dependente Y é influenciada por uma variável independente X (dicotomicamente representada). Normalmente utiliza-se um método não-experimental (correlacional e naturalístico).

 

Apenas nalguns casos se utiliza o quasi-experimental. Exemplo - ver os efeitos de um tratamento de delinquentes. Antes e depois do tratamento. Longitudinais – acompanha-se antes e depois. Ou pede-se para descrever o antes. (Moreira, 1991: 154)

É importante não adoptar objectivos muito ambiciosos.

Deve-se também evitar quatro de erros:a falta de validade interna; a falta de precisão; a falta de validade do construto (das variáveis e do que elas querem dizer); a falta de validade externa.

 

 

1 - a falta de validade interna (o efeito deve-se APENAS à var. ind. X).

2 - a falta de precisão - Ter cuidado com a confusão entre teste da amostra e dos que respeitam à população (ver o caso de amostras pequenas – o exemplo do estudo sobre a língua inglesa) Ex: filmes (158).

3 - a falta de validade do construto (das variáveis e do que elas querem dizer)

4 - a falta de validade externa (generalização dos resultados – a representatividade da amostra e os contextos).

 

 


2ª Parte - A pesquisa qualitativa
(observação e entrevista)

Texto: Carlos Diogo Moreira, "A pesquisa qualitativa", in Carlos Diogo Moreira, Planeamento e estratégias da investigação social, Lisboa, ISCSP, 1994, pp. 93-104

Exemplo de metodologia qualitativa:
"Os fumadores de marijuana" em Os marginais de Howard Becker
in Luc Van Campenhoudt, Introdução à análise dos fenómenos sociais, Lisboa, Gradiva, 2003, pp. 75-107.

 

 

1. Diferenças entre o qualitativo e o quantitativo

Duas técnicas principais no qualitativo:

Observação participante;

Entrevista qualitativa ou em profundidade, semidirectiva ou não-estruturada.

[no quantitativo, é o inquérito]

 

1ª diferença entre qualitativo e quantitativo: no segundo, são dados ordinais ou de intervalo que permitem a estatística; no primeiro, são de tipo diferente pois remetem para o que os actores dizem e para a observação das acções.

2ª diferença: um dado válido não é o mesmo nas duas metodologias. Há uma validade interpretativa no qualitativo.

 

 

3ª diferença: requere-se um maior envolvimento com o que se estuda. A razão não tem apenas a ver com a noção de DADO mas também com a forma como a METODOLOGIA É PENSADA.

Ver o exemplo de um estudo sobre o comportamento escolar das crianças. O qualitativo remete para a forma como as crianças experienciam a escola.

 

 

4ª diferença: no qualitativo, cruzam-se diferentes técnicas – triangulação;

5ª o qualitativo preocupa-se com os processos.

6ª defende-se uma visão mais holística, contextualizada.

7º o qualitativo não dever ser encarado como uma fase exploratória para depois se entrar no inquérito.

 

 

 

Duas críticas aos métodos qualitativos

1º são generalistas

2º são não-verificáveis.

 

 

Respostas a estas duas críticas.

 

1. Generalistas

Esta generalidade inícial não impede de mais tarde ser sistemático na recolha e comprovação dos dados.

 

 

2. Não-verificáveis.

- "os procedimentos utilizados para obter os dados não podem ser repetidos em todo o seu detalhe" (Moreira, 1994: 98).

Difícil porque:

Podem ocorrer mudanças nas comunidades

As premissas teóricas podem afectar

Mas sempre se pode retomar estes trabalhos.

 

Como fazer a ANÁLISE DOS DADOS QUALITATIVOS?

 

A importância das impressões nos outros

Desenvolver as capacidades de registo.

Melhorar a forma como se analisa as entrevistas. Deve-se assegurar uma análise metódica: partir de categorias analíticas surgidas indutivamente; analisar sistematicamente as entrevistas e relatos de observação.

Utilizar programas de computadores para dados qualitativos.

Ter cuidado com a apresentação dos dados e na sua análise: ser claro no quadro de análise usado.

 

3ª Parte - Alguns conselhos práticos na investigação qualitativa.

 

Inspirado em: Margarete Sandelowski, The Qualitative Research Proposal,

in http://www.umich.edu/~qualnet/material/ Sandelowski_on_proposals.ppt

University of North Carolina at Chapel Hill

Investigação qualitativa deve:

Ter criatividade no uso dos métodos e técnicas

Reflexividade

A metodologia qualitativa baseia-se em:

A "grounded theory" (numa lógica indutiva) assente na reflexão a partir dos dados;

A fenomenologia: reflecte a partir da experiência do actor;

A etnografia para interpretar "culturas".

Uma pesquisa qualitativa deve:

Conhecer a teoria dessa área

Acentuar o carácter de "tentativa"

Explicar a razão da escolha de uma determinada técnica

Lógica e aspecto formal

Dizer---> Mostrar--->Dizer

Define--->Aplica--->Dá exemplos

Palavras, números, partes visuais

Fazer introducões

Em todas as partes do trabalho

Teorias, método, amostra ou grupo estudado, recolha de dados, análise de dados

Introduction

Para seduzir o vosso leitor

Para o colocar dentro do problema

Deve-se dizer:

Qual é a vossa questão/problema?

Usar números para caracterizar a sua extensão e natureza

Qual a sua importância e significação?

Evitar estes erros de Metodologia!

O significar não é igual a fenomenologia

Processo não é igual a "grounded theory"

Observação não é igual a etnografia

Obter narrativas não é igual a método biográfico

Não existe apenas uma forma de obter uma boa amostra

Triangulação das técnicas não é apenas ter três técnicas

Quando se usam métodos diversos

Explicar o porquê e o que se mistura

paradigmas

Mais do que uma perspectiva

Produzir novas descobertas

métodos

Permite obter uma melhor imagem de um determinado fenómeno

Mais coisas sobre articulação de métodos:

Triangulação e/ou complementaridade (técnicas)

Para ter uma boa amostragem

Para confirmar

convergente validade ou triangulação

Para obter uma descrição completa

Para explicar

Amostragem

Defende a tua estratégia de amostragem

Contrastar com a ideia de probabilidade (da metodologia quantitativa), se necessário (dizer que é uma outra forma de criar amostragem que também é válida)

Explica o critério de inclusão e exclusão

Explicar o tamanho

Redundância teórica (é suficiente aquela amostra para compreender determinado processo) ou saturação de temas (quando surge a repetição nos estudos etnográficos, deixa de fazer sentido continuar a entrevistar).

Validação

Mostra a tua preocupação com a validade na forma como escreves

Exemplo

In the interview section you might say: In order to confirm the interpretive validity (Maxwell, 1992) of findings, participants will be shown a summary of XX approximately XX weeks after these data were collected. . .and asked to YY. . .

You will need here to define interpretive validity, a la Maxwell.

Validação

As técnicas (principalmente os dados qualitativos) devem ser referidos em diferentes partes do relatório pois reforçam a credibilidade das conclusões.

Considerações adicionais

Deves ter repetições estratégicas (repetir a tua ideia principal em zonas importantes da tese – no começo das partes principais, etc.)

Procura a ajuda certa (fala com pessoas que conheçam o assunto)

Dá tempo a ti próprio (não fiques obcecado)

O trabalho preliminar ajuda muito (durante os anos anteriores do curso, começa a fazer pequenos estudos, tentativas em áreas que te motivem)

Evitar o jargon/"nomes complicados" Diz o que tens a dizer de uma forma simples e que Tu entendas - SAY WHAT YOU MEAN IN PLAIN TALK

Informação para cada técnica

Nome/tipo ou programa usado

Fim que pretende atingir, informação requerida

Tópicos abrangidos, fenómenos a observar, etc. Incluir guião, quando é importante.

Como as entrevistas, observações, etc. foram conduzidas

Incluir como focus grupos foram conduzidos (e.g., discussão do facilitador, moderador, como responderam a questões, etc.) e guiões para as questões das entrevistas e focus grupos.

Quando, tendo em conta o fenómeno, foi aplicada.

Outra informação…

Se mais de uma entrevista, qual o seu número e objectivo

Se outros instrumentos: qual o seu grau de validade e da respectiva informação.

Análise dos dados

Como foram preparados, catalogados e analisados

Introducão - referindo as técnicas usadas na reconfiguração dos dados como a análise comparativa, de conteúdo ou narrativa; uso das matrizes de dados.

Incluir citações relevantes: e.g., qualitative content analysis (Altheide, 1987); constant comparison analysis (Strauss & Corbin, 1998); phenomenological thematic analysis (Van Manen, 1990).

Conselhos finais…

Relembrar sempre o aspecto científico para validar a tua investigação (evitar SEMPRE a tua OPINIÃO pessoal)

E, acima de tudo, privilegiar a expressão, a importância do uso da escrita de uma forma simples e clara.

 

Fim

Domingo, 8 de Maio de 2005

Texto que irá ser utilizado no exame/teste do 2º semestre como base para as questões.

Texto que irá ser utilizado no próximo teste como base para as questões.

O texto que será a base do teste/exame do segundo semestre consiste nos textos de Durkheim (partes do Suicídio.Estudo sociológico) resumidos nas aulas práticas.  As perguntas utilizarão alguns dos seus exemplos e afirmações.

Podem consultá-lo no caderno dos textos de apoio nº 2 (Aula Teórica nº 5 - 5 de Abril de 2005):

 

Émile Durkheim , O Suicídio. Estudo sociológico, Lisboa, Presença, 1982, pp. 135-144.

 

Ou ver os excertos mais importantes em:

Raymond Quivy e Luc Van Campenhoudt, Manual de Investigação em Ciências Sociais, Lisboa, Gradiva, 1992, pp. 56-60.

 

Nota: tenham em atenção que não se trata de memorizar o texto (apelando à vossa inútil memória a curto prazo) mas antes de imaginar perguntas comparando o trabalho de investigação de Durkheim com outras metodologias estudadas nas aulas.

 

 

Como fazer o trabalho prático. Sugestões. NÃO SE ESQUEÇAM QUE O TRABALHO PRÁTICO DEVE SEGUIR ESTE MODELO.

ESTE É O MODELO A UTILIZAR NO TRABALHO PRÁTICO


 


1. IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO


Exemplo de identificação:Émile Durkheim, O Suicídio: Estudo de Sociologia, 2ª Ed., Lisboa, Ed. Presença, 1977, 470 p.


2. MATÉRIA/CONTEÚDO DO TEXTO


Género ou tipo de livro/texto:_____________________________________


Tema


(resumo da ideia-mestra do texto):_______________________________


Público


(ao qual se dirige o texto, quem poderá ficar interessado por este texto: estudantes? Professores? Sociólogos? Operários?):______________________________


Tese central


(o que o autor do texto quer demonstrar: desenvolva apenas o resumo da ideia central sem entrar na argumentação; trata-se de explicitar o assunto ou problema que quer resolver):_____________________


3. ANÁLISE EFECTUADA PELO ALUNO


Impressões a quente


(impressões pessoais do aluno (s) logo após a leitura do livro ou texto): ________________________________________________________


Contrução e conteúdo


(Um resumo do texto. Os pontos fortes na estrutura do livro, ou seja, quais os momentos centrais que definem o texto - escolha as citações mais importantes colocando-as entre aspas e indicando de uma forma abreviada o autor, ano de publicação e a página onde se situa a citação do texto original. Ex: (Durkheim, 1977: 26). ___________________________________________________________


Apreciação


(ponto de vista pessoal do aluno mas explicando o porquê.


Por exemplo: quais foram os aspectos em que se sentiu convencido e aqueles em que ficou com dúvidas?):____________________________


Seguimento a dar (acções a empreender ou leituras complementares a efectuar pelo aluno para entender melhor a tese do autor): _______________________________________________________



[adaptado de Pierre Lemaitre e François Maquére, Saber Aprender, Lisboa, Publicações Europa-América, 1989, p. 85]


 


Nota. Tenham cuidado com as citações. Ver o anexo 2 do trabalho prático sobre como fazer citações em:


 


 




Lista de "sites" para o trabalho prático (em actualização permanente)

Lista dos sites para o trabalho prático


1. Deverão enviar um mail como vosso nome, número e o endereço web do texto (http://xxxx.com) para  jpneves2005@yahoo.com.br . Receberão sempre uma resposta com a confirmação da reserva. Esta lista será constantemente actualizada, com a mais recente distribuição dos textos e, também com textos novos que irei introduzindo até à Páscoa. No caso de não aparecer o vosso nome e de não receberem um mail de reserva, terão de escolher um outro (terei sempre o cuidado de vos avisar que o vosso texto já foi reservado). Cada um dos textos só poderá ser escolhido por um aluno ou um grupo de alunos.


2. No caso de o texto ter uma dimensão bastante grande (cerca de 80 páginas A4), o trabalho poderá ser efectuado em grupo indicando, no relatório final, cada um dos membros do grupo a sua parte ou capítulo (páginas). Cada um deverá assinalar a sua parte no resumo final (avaliação é sempre individal). Neste caso, aparecerá na lista a indicação de que se trata de um texto para um grupo de 4 alunos (máximo).


 


3. NÃO SE ESQUEÇAM QUE O TRABALHO PRÁTICO DEVE SEGUIR O MODELO QUE ESTÁ EM: http://metodologia.blogs.sapo.pt/arquivo/613526.html


 


------------------------------------------------------------------------


 


Lista dos sites:


1. SOBRE LA AUTORIDAD ETNOGRÁFICA de James Clifford http://www.franjasociales.com.ar/Resumenes/comunicacion_II_(ford)/Clifford.htm


Ludovina Marlene Lima Ferreira   Nº43925


2.. Michel Foucault, "Prefacio" in Michel Focault, en Las palabras y las cosas, Prefacio. Siglo XXI, México, 1984.


http://www.franjasociales.com.ar/Materias%20Sociologia/Apuntes/Web/socio_gral_(forte)/MICHEL%20FOUCAULT%20(LAS%20PALABRAS%20Y%20LAS%20COSAS).htm


 Nome: Ana Vasconcelos nº 38828

 


3.  http://www.franjasociales.com.ar/Materias%20Sociologia/Apuntes/Web/socio_gral_(forte)/PIERRE%20BORDIEU%20(ESPACIO%20SOCIAL%20Y%20PODER%20SIMBOLICO).htm


Pierre Bourdieu "Espacio social y poder simbólico" in Pierre Bourdieu, Cosas Dichas, GEDISA, Barcelona, 1988 [texto francés de la conferencia pronunciada en la Universidad de San Diego en marzo de 1986].


Nome. Paula Cardoso nº44673


 


4. http://www.franjasociales.com.ar/Libros/HORKHEIMER%20y%20ADORNO/HORKHEIMER%20y%20ADORNO%20-%20Dial%E9ctica%20del%20Iluminismo.htm


 HORKHEIMER; M. Y ADORNO, T. W., “DIALÉCTICA DEL ILUMINISMO”, Prólogo a la primera edición alemana


Nome dos alunos: Ana Catarina dos Santos Dias, nº 42258; Marta Raquel Peixoto,
nº44214 e Helder de Jesus Gonçalves de Sousa, nº44179


 


 


5. http://www.franjasociales.com.ar/Libros/Malinowsky/Brian%20Malinowsky%20-%20Los%20argonautas%20del%20pac%EDfico%20occidental.htm


B. MALINOWSKI, LOS ARGONAUTAS DEL PACÍFICO OCCIDENTALINTRODUCCIÓN. Objeto, método y finalidad de esta investigación


 


6. http://www.franjasociales.com.ar/Libros/18brumario/EL%20DIECIOCHO%20BRUMARIO%20DE%20LUIS%20BONAPARTE.htm


 Karl Marx, EL DIECIOCHO BRUMARIO DE LUIS BONAPARTE


Nome dos 4  alunos (são 80 pp.):


Joana Pinho nº43906


Maria Marques 43926


Ana Margarida 43909


Deolinda Gomes 44672


7. http://www.franjasociales.com.ar/Materias%20Sociologia/Apuntes/Web/socio_gral_(forte)/EMILE%20DURKHEIM%20(LAS%20REGLAS%20DEL%20METODO%20SOCIOLOGICO).htm


 Emile Durkheim, Las reglas del método sociológico, MéxicoEd. Premiá, 1991. Caps. I-II.


Nome: Andreia Filipa Matos Vieira  


 


8. http://www.gradiva.pt/capitulo.asp?L=3060


"Introdução", in Luc Van Campenhoudt, INTRODUÇÃO À ANÁLISE DOS FENÓMENOS SOCIAIS :


Nome: Maria João Gonçalves Oliveira Número: 43913

 


Henri Bergson, Essai sur les données immédiates de la conscience (1888).


Apenas o Chapitre I.      De l'intensité des états psychologiques (pp. 10-45)


Nomes: Maria de La Salette Salgado Sampaio - nº 44130


e Célia Peixoto - nº 44665


10. http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/classiques/Durkheim_emile/textes_1/textes_1_06/socio_tarde.html


 Émile Durkheim (1903), « La sociologie et les sciences sociales. Confrontation avec Tarde. »


 


Nome: Carla Cristina Ferreira Rodrigues  nº44664


 


11. http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/classiques/tarde_gabriel/les_lois_sociales/les_lois_sociales.html


 Une édition électronique réalisée à partir du livre de Gabriel Tarde, Les lois sociales. Esquisse d’une sociologie (1898). Paris: Alcan, 1898.


Nome dos 4 alunos (o texto tem cerca de 80 pp.): Não reservado nº: ????


 


12. http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/collection_methodologie/bourdieu_pierre/habitus/habitus_texte.html


“Pierre Bourdieu, L'habitus en sociologie entre objectivisme et subjectivisme”.
Extrait de Pierre BOURDIEU, Le sens pratique, Paris, Éditions de Minuit, 1980.

 


Nome do aluno:  João Martinho, nº 43912


 


13. http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/collection_methodologie/weber_max/idealtypes/idealtypes_texte.html



“Les « idéaltypes » de Max Weber, leurs constructions et usages dans la recherche sociologique”.
Extrait de: Max Weber, Economie et société, tome 1 : Les catégories de la sociologie.
Paris, Plon / Agora, traduction de Julien Freund, pp. 28-29, 35, 48-52 et 55-57.

Nome: Rute Isabel de Castro Teixeira nº44700


 


14. http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/collection_methodologie/popper_karl/misere_historicisme/misere_historicisme_texte.html



Karl Popper (1902-1994), philosophe des sciences
“Les théories et leur priorité sur l'observation et l'expérimentation”
Extrait de: Karl Popper,
Misère de l’historicisme, Paris, Editions Plon, collection Agora, extrait.

 


Nome: Edna Filipa de Almeida Martins
Número: 43917




 


15. http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/collection_methodologie/bachelard_gaston/obstacles_epistemologiques/obstacles_epist_texte.html


 


“Gaston Bachelard, Les obstacles épistémologiques”.
Extrait de: Gaston Bachelard, La formation de l’esprit scientifique.
Paris, Librairie philosophique Vrin, 1999 (1ère édition : 1938), chapitre 1er.


Nome: Angela Martinho Emilio nº43937


--------------------------------


Novos textos introduzidos em 18 de Março de 2005)


--------------------------------------------------


16. http://home.earthlink.net/~hsbecker/theory.html


Howard S. Becker, "Theory: The Necessary Evil "


Originally published in Theory and Concepts in Qualitative Research: Perspectives from the Field, David J. Flinders and Geoffrey E. Mills, eds., (New York: Teachers College Press, 1993) pp. 218-229.


Nome: Carlos Figueiredo Vilela da Silva, nº43919


17. http://home.earthlink.net/~hsbecker/qa.html


Howard S. Becker,  "The Epistemology of Qualitative Research"


[From Richard Jessor, Anne Colby, and Richard Schweder, eds., Essays on Ethnography and Human Development (Chicago: University of Chicago Press, forthcoming ).]


18. http://www.religion-online.org/showarticle.asp?title=240


Epistemological Modesty: An Interview with Peter Berger by Peter Berger


For several decades sociologist Peter Berger has been one of the most interesting writers on religion and modern society. Perhaps best known for his text on the sociology of religion,The Sacred Canopy, Berger has also shown a keen interest in issues of development and public policy and in the nature of religious belief in the modern world, as evident in A Far Glory: The Question of Faith in an Age of Credulity (1992) and in his most recent book, Redeeming Laughter: The Comic Dimension of Human Experience. For the past 12 years he has been on the faculty of Boston University and director of B U's Institute for the Study of Economic Culture. This article appeared in The Christian Century, October 29, 1997, pp. 972-978. Copyright by The Christian Century Foundation; used by permission. Current articles and subscription information can be found at www.christiancentury.org. This article prepared for Religion Online by Ted & Winnie Brock.


19. http://www.usyd.edu.au/su/social/elias/intervie.html


'We have not learnt to control nature and ourselves enough': an interview with Norbert Elias
by Aafke Steenhuis


Nome: Paula Cristina Babau Fernandes          nº 39019


 


20. http://foucault.info/documents/disciplineAndPunish/foucault.disciplineAndPunish.torture.en.html



Michel Foucault, "I. Torture. 1. The Body of the Condemned ", in Michel Foucault, Discipline & Punish: The Birth of the Prison, NY, Vintage Books, 1995, pp. 3-8 translated from the French by Alan Sheridan © 1977


Nome: Angela Coutinho e Silva
nº 42171


21. http://foucault.info/documents/disciplineAndPunish/foucault.disciplineAndPunish.panOpticism.html


Michel Foucault, "III. DISCIPLINE 3. Panopticism", in Michel Foucault, Discipline & Punish: The Birth of the Prison, NY, Vintage Books, 1995, pp. 195-228 translated from the French by Alan Sheridan © 1977


 


22. http://www2.pfeiffer.edu/~lridener/courses/myth.html


Claude Levi-Strauss, "The Structural Study of Myth", in Claude Levi-Strauss, Structural Anthropology, New York, Basic Books, 1963, pp. 202- 212.


 


Nome: Liliana Vilarinho nº 44292


 


23. http://www2.pfeiffer.edu/~lridener/courses/PARSONS1.HTML


Talcott Parsons, "The Unit Act of Action Systems"


From Talcott Parsons, The Structure of Social Action. New York: Free Press, 1937, pp. 43-48.


Vitor Andrade nº43898


 


24. http://www2.pfeiffer.edu/~lridener/courses/PARSONS2.HTML


Talcott Parsons, "Action Systems and Social Systems"


From Talcott Parsons, The System of Modern Societies. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1971, pp. 4-8.


Nome: Andreia Filipa Almeida Pereira Nº 43928. 


25. http://socserv2.socsci.mcmaster.ca/~econ/ugcm/3ll3/simmel/society


Georg Simmel, "How is Society Possible?", in American Journal of Sociology,
vol. 16 (1910-11).


Nome: Gabriela Oliveira n.º 43931


26. http://www2.pfeiffer.edu/~lridener/courses/STRANGER.HTML


Georg Simmel, "The Stranger", in Kurt Wolff (Trans.) The Sociology of Georg Simmel. New York: Free Press, 1950, pp. 402 - 408.


27. http://www.bib.uab.es/pub/papers/02102862n54p9.pdf


Josep Picó, "Teoría y empiría en el análisis sociológico: Paul F. Lazarsfeld y sus críticos", in Papers, nº 54, 1998, pp. 9-48.


Um texto fundamental pois descreve o surgimento da metodologia científica na sociologia nos anos 30 e 40 do século XX.


Nome: Odete Carvalho nº43920


Elia Gonçalves nº43915


Angela Sousa nº43936



28. http://catedras.fsoc.uba.ar/salvia/catedra/series/n3.htm


 Paul Lazarsfeld, "De los conceptos a los índices empíricos",  in Boudon, R. e Lazarseld, P. Metodologia de las Ciencias Sociales, V. I, Ed. Laia, 1985, pp. 35-46.



Nome: Susana Dias nº43896



29. http://www.nombrefalso.com.ar/materias/apuntes/html/lazarsfeld.html


Um texto fundamental pois trata-se de uma das primeiras aplicações da metodologia científica na sociologia.


Paul Lazarsfeld, Bemald Berelson  e Hazle Gaudet,
"El pueblo elige"


LAZARSFELD, Paul F. - BERELSON, Bernard - GAUDET, Hazle. El pueblo elige. Estudio del proceso de formación del voto durante una campaña presidencial, Buenos Aires, Ediciones 3, 1962.
Sandra Costa nº 44253
1º ano de sociologia


30. http://www.anuies.mx/principal/servicios/publicaciones/revsup/res009/art22.htm


  MARIO MIRANDA PACHECO,  RESEÑA BIBLIOGRAFICA de "PIAGET, JEAN; LAZARSFELD, PAUL; MACKENZIE, W.J.M. y otros, Tendencias de la Investigación en las Ciencias Sociales, versión española de Pilar Castrillo, Madrid, Alianza Editorial, 1973, 633 p.",  in   Revista de la Educación Superior, NUMERO 9, Vol. III, Núm. 1 ENERO - MARZO 1974.  


Nome: Filipa Daniela G. L. R. Fernandes nº 43901


31. http://pro.wanadoo.fr/tansen/bioethics/science/latour1.htm


Bruno Latour
http://www.ensmp.fr/~latour/


"Do You Believe in Reality?" News from the Trenches of the Science Wars


Chapter One of Pandora's Hope, Essays on the Reality of Science Studies, Cambridge MA, Harvard University Press, I999, p. I-23


 


32. http://www2.udec.cl/~alas/revista/noti%201.htm


LA SOCIOLOGIA, ¿ES UNA CIENCIA? - Pierre Bourdieu


In: La Recherche nº 331, Mayo de 2000.


Traducción: Dr. Manuel Antonio Baeza R. concepción, Diciembre de 2000.


Aluno: Luzia de Oliveira Pinheiro
nº 43894


 


33. http://www.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/verite.html


Michel Foucault "Verdade, poder e si" [em português]
Verité, pouvoir et soi. (entretien de Michel Foucault avec R. Martain, Université du Vermont, 25 de octobre 1982).Traduzido a partir de  FOUCAULT, Michel. Dits et écrits. Paris:Gallimard, 1994, vol. IV, pp. 777-783, por Wanderson Flor do Nascimento.


Nome: Telma nº 44160


 


34.http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/classiques/bergson_henri/evolution_creatrice/evolution_creatrice.doc#évolution_chap_1_1_durée


Henri Bergson, L’évolution créatrice [Originalement publié en 1907]. Paris : Les Presses universitaires de France, 1959, 86e édition, 372 pages


 


Este ponto do Chapitre I: l'évolution de la vie. – Mécanisme et finalité. - De la durée en général.  pp. 13-27


 

Nome: Mafalda Silva Oliveira nº: 44662


 


34.  http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/classiques/bergson_henri/essai_conscience_immediate/conscience_imm.html


Henri Bergson, Essai sur les données immédiates de la conscience (1888).


Apenas o Chapitre II.    De la multiplicité des états de conscience : l'idée de durée(pp. 45-75)


Nome: Célia Peixoto - nº 44665


 


35. http://rosenoire.org/archives/Weber,_Max_-_Protestantism_and_The_Spirit_of_Capitalism.pdf


Max Weber, Protestantism and The Spirit of Capitalism


Chapter 2 - The Spirit of Capitalism - pp. 7-21


[pode ser trabalhado em conjunto com o texto 37.]




Vera Costa nº44661


36. http://www.fsoc.uba.ar/publi/sociedad/Soci09/weber.html


Max Weber, Sobre el método en la investigación sociopsicológica
y su tratamiento


Nome: Vera Patrícia Rocha Conceição Rodrigues nº 43941


37. http://rosenoire.org/archives/Weber,_Max_-_Protestantism_and_The_Spirit_of_Capitalism.pdf

Max Weber, Protestantism and The Spirit of Capitalism
Chapter V - Ascetism and the Spirit of Capitalism - pp. 55-69

[pode ser trabalhado em conjunto com o texto 35.]


 


38. http://www.forum-global.de/soc/bibliot/d/durkheimhechosocial.htm


 EMILE DURKHEIM, LAS REGLAS DEL MÉTODO SOCIOLÓGICO Cap. I: "Qué es un hecho social"


Nome: Natália Rodrigues nº 43899


39. http://www.forum-global.de/soc/bibliot/f/foucjur1.htm


Michel Foucault, La Verdad y las Formas Jurídicas
Primera conferencia,
1990.


Nome: Juliana Mesquita


40. http://www.forum-global.de/soc/bibliot/f/foucpoder.htm
Michel Foucault,
"El ojo del poder. Entrevista con Michel Foucault", in Bentham, Jeremías, El Panóptico, Barcelona, Ed. La Piqueta, 1980 [Traducción de Julia Varela y Fernando Alvarez-Uría].


Nome: Luis Filipe Magalhães Andrade nº43921


41. http://www.forum-global.de/soc/bibliot/m/mertonteoriayestrucp2.htm


Robert King Merton, Teoría y Estructura Social


Cap II. Sobre las Teorias Sociológicas de Alcance Intermedio


Nome: Mariana Henriques da Costa, nº44663


42. http://www.forum-global.de/soc/bibliot/weber/weberobjcognitiva.htm


MAX WEBER, "LA OBJETIVIDAD COGNITIVA DE LA CIENCIA SOCIAL Y DE LA POLÍTICA SOCIAL" in ENSAYOS SOBRE METODOLOGÍA SOCIOLÓGICA


Nome: Andreia Vale, nº44669


43.http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/ge/dilthey.htm


Wilhelm Dilthey [Ed. original: 1883], Introduction to the Human Sciences, New York, Princeton University Press [Preface].


 


44. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/ge/weber.htm


Max Weber [Ed. original: 1897] "Definition of Sociology", in Max Weber, Sociological Writings,Edited by Wolf Heydebrand, published in 1994 by Continuum. Sections on foundations reproduced here transcribed by Andy Blunden in 1998, proofed and corrected in 1999.


 


45. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/us/mead.htm


 George Herbert Mead (Ed. Original: 1932/1938), "Science and the Objectivity of Perspectives" in George Herbert Mead, On Social Psychology, Selected Papers, Edited and with an Introduction by Anselm Strauss, Chicago, University of Chicago Press, 1932 e 1937.


[First Published: (1) in The Philosophy of the Act, 1938, (2) in The Philosophy of the Present, 1932; Transcribed: by Andy Blunden].


 


 


46. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/us/kuhn.htm


  Thomas S. Kuhn, "Chapter IX. The Nature and Necessity of Scientific Revolutions"


Source: The Structure of Scientific Revolutions (1962) publ. University of Chicago Press, 1962. One chapter plus one postscript reproduced here
transcribed by Andy Blunden in 1998. Proofed and corrected March 2005.



 


47. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/at/popper.htm


Karl Popper, "A Realist View of Logic, Physics, and History" (1966)


Source: Objective Knowledge (1972) publ. Clarendon Press. The second last chapter is reproduced here


 


 


48. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/it/galileo.htm


Galilei Galileo (1615), Galileo's Considerations on the Copernican Opinion


Source: Galileo's Considerations on the Copernican System, 1615, from The Galileo Affair, edited by Maurice Finocchiaro. Complete letter.


 


49. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/en/bacon.htm


 Francis Bacon (1607), "PHENOMENA OF THE UNIVERSE Or NATURAL HISTORY For THE BUILDING UP OF PHILOSOPHY"

Source: Natural History for the Building Up of Philosophy, 1609, 19th Century English edition; first 5 pages from the Preface.


 


50. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/en/hume.htm

David Hume, "Cause and Effect", in David Hume, An Enquiry Concerning Human Understanding (1772). Hackett Publ Co. 1993.


Nome: Cátia Silva nº44324 1ºano de Sociologia


 


51. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/ge/kant.htm


Immanuel Kant, "Introduction", in Critique of Pure Reason.

Source: Critique of Pure Reason (1787). Norman Kemp Smith version from http://www.arts.cuhk.edu.hk/Philosophy/Kant/cpr, with text of Kant's second edition extracted. The four files reproduced here, cover all of Kant's introduction which succinctly explains his basic approach, plus another excerpt from early on in the work, an important section where he explains his reaction to Hume and the section on 'Antimonies of Reason' which is important when it comes to Hegel.

 


52. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/en/mill.htm 


 John Stuart Mill, "Introduction", in System of Logic [Ed. original: 1843].

Source: Introduction from the Longman's 1884 edition of the System of Logic.

 


53. http://www.marxists.org/reference/subject/philosophy/works/fr/comte.htm


Auguste Comte (1856), "Chapter I: Its Intellectual Character", in A General View of Positivism

Source: General View of Positivism (1830-42). from A General View of Positivism, translated by J H Bridges, Robert Speller and Sons, 1957; about 15 pages from the middle of the first chapter reproduced here;
Transcribed: by Andy Blunden in 1998, and proofed and corrected in February 2005.


Maria Elvira Carvalho Coutinho, aluna nº 44199


54. http://www.elimaginariosocial.com.ar/textos/manifiesto.htm


Donna J. Haraway, MANIFIESTO PARA CYBORGS.
CIENCIA, TECNOLOGÍA Y FEMINISMO SOCIALISTA
A FINALES DEL SIGLO XX


"Según las tradiciones de la ciencia y de la política 'occidentales' [...], la
relación entre máquina y organismo ha sido de guerra fronteriza. En tal
conflicto estaban en litigio los territorios de la producción, de la reproducción
y de la imaginación. El presente trabajo es un canto al placer en la confusión de
las fronteras y a la responsabilidad en su construcción. Es también un esfuerzo
para contribuir a la cultura y a la teoría feminista socialista de una manera
postmoderna, no naturalista, y dentro de la tradición utópica de imaginar un mundo sin géneros, sin génesis y, quizás, sin fin".


Donna Haraway was born in Denver in 1944 and attended Catholic schools. She earned a Ph.D. from the Biology Department at Yale in 1972 for an interdisciplinary dissertation on the functions of metaphor in shaping research in developmental biology in the twentieth century. After teaching in Women's Studies and General Science at the University of Hawaii, she went on to Johns Hopkins University, and is now professor and former chair of the influential History of Consciousness Program at University of California, Santa Cruz. [http://www.egs.edu/faculty/haraway.html].


MARTA FERREIRA Nº44667


Marlene Silva nº 43326


 


55. http://www.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/microfisica.pdf


Michel Foucault, Microfísica do Poder
Escolher os textos: Verdade e Poder  [pp. 4-11] e Nietzsche, a genealogia do poder [p. 12-22].


Cheila Cristina Da Cruz Pinto


 Nº44426

 

Ligia Fernandes (reserva provisória).

56. http://www.homme-moderne.org/societe/socio/bourdieu/prefaces/marienth.rtf ou


http://www.homme-moderne.org/societe/socio/bourdieu/prefaces/marienth.html


PRÉFACE DE PIERRE BOURDIEU à PAUL LAZARSFELD, MARIE JAHODA, HANS ZEISEL, LES CHÔMEURS DE MARIENTHAL, Paris, LES ÉDITIONS DE MINUIT, 1981


Nome: Vitor Hugo Miranda Gramoso (nº 41479


57. http://www.unesco.org/issj/rics157/lazarsfeldspa.html


Paul Lazarsfeld, "Nota sobre la investigación social empírica y las relaciones interdisciplinarias"


En la fecha de preparación de este artículo para la ISSJ, Vol.XVI, No.4, 1964, Paul Lazarsfeld era profesor en la Universidad de Columbia, Nueva York, E.E.U.U.  


El autor aboga por un examen de las técnicas de investigación social, sobre todo porque hay considerables diferencias en los distintos países por lo que se refiere a su grado de aceptación. Asimismo pone de relieve la importancia que revisten las tendencias a la coooperación entre distintas disciplinas, las controversias metodológicas, y las diferencias entre las generaciones de investigadores y entre las diversas formas de organización científica. Me propongo tomar como punto de partida el tipo de investigaciones sociales empíricas que prevalecen actualmente en los Estados Unidos de América, y de aquí pasaré a abordar las demás ciencias sociales. Por último, examinaré algunos aspectos generales de la encuesta que la UNESCO proyecta efectuar.


Nome: Mafalda Silva Oliveira nº 44662


 


58. http://www.angelfire.com/or3/tss/millsoic.html


C. Wright Mills, "On Intellectual Craftsmanship" [O artesanato intelectual], in THE SOCIOLOGICAL IMAGINATION, pp. 195-226


"Wright Mills wrote an Appendix in The Sociological Imagination, calling it "On Intellectual Craftsmanship." In this essay he kind of talks out loud about how he does things, offering advice to new and old sociologists, alike. He offers advice which corresponds to his own stance vis-a-vis "mainstream" sociological theory and methods...advice which I think is still sound today...some 40 years later".


"Charles Wright Mills (1916-1962). Crítico y polémico, con una obra que sigue vigente, es, sin embargo, un sociólogo de perfil clásico, que observa, analiza y describe relaciones básicas del entorno, los valores emergentes de la sociedad, las nuevas estructuras de clases, las relaciones de poder. Un ácido analista de la vida cotidiana. En su pensamiento se descubre una larga línea que va de Marx a Weber, los autores que más influyen en su formación y en la proyección indagatoria de su preocupación intelectual. Sus provocaciones, muchas veces trasladadas a las columnas de los diarios, alertan acerca de la degradación de la democracia y el control social por parte de las oligarquías. Analiza la burocracia en la sociedad industrial. Y las relaciones de poder en las estructuras jerarquizadas. Le interesan en especial la formación, configuración y administración del poder de las élites. Describe las técnicas del sistema productivo destinadas al control de los trabajadores, y presta especial atención a los proletarios de ‘cuello blanco’, a los oficinistas, desclasados, desprotegidos y envueltos bajo el paraguas de la burocracia. Escribe de los conflictos internacionales, de la guerra fría, de las amenazas de nuevas conflagraciones mundiales, de Cuba, del marxismo. En fin, de la sociedad de masas y de los medios de comunicación. Los medios son, a su juicio, los encargados crear las condiciones que desplazan el poder y acentúan el centro político de las élites, con dominios económicos, políticos y militares, al tiempo que entretienen la escena pública con la simulación democrática del debate. Una acción a la que contribuyen de manera las nuevas tecnologías que, para el tiempo de Mills, pasan fundamentalmente por la implantación masiva de la televisión. Los medios no descubren la verdadera cara del poder, no ‘identifican al opresor’, y desarrollan, por consiguiente, una labor de manipulación y adulteración de la opinión pública. [...] Mills hace un llamamiento al papel de los intelectuales como conciencia crítica de la sociedad para limitar la progresiva erosión de los valores de la democracia, de la cultura, del pacto social, que conducen a la apatía, a la inestabilidad psicológica de los individuos y de su dimensión cívica. Su pensamiento influyó significativamente en el argumentario de numerosos grupos alternativos y reivindicativos de los años 60 en Estdos Unidos". in  http://www.infoamerica.org/teoria/mills2.htm





59. http://fbc.binghamton.edu/iwendcrt.htm


"The End of Certainties in the Social Sciences" 


by Immanuel Wallerstein (iwaller@binghamton.edu) © Immanuel Wallerstein 1997.


[You are free to download this paper or send it electronically to others. If you wish to translate it into another language, or to publish it in a printed medium or on another web site, you must obtain formal authorization from the author.]


[Talk at the Seminario, "Conceptos en Ciencias y Humanidades," Mexico City, Oct. 16, 1998, co-sponsored by CEEICH (UNAM), Fernand Braudel Center (Binghamton), Maison des Sciences de l'Homme (Paris), ZiF (Bielefeld)].


Mariana Raquel Monteiro da Silva Adaes
nº 43910


-----------------------------------------------------------


Novos textos em 22 de Abril de 2005


6o. http://www.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/ordem.html


[em português] Michel Foucault, A Ordem do Discurso.(L’Ordre du discours, Leçon inaugurale ao Collège de France prononcée le 2 décembre 1970, Éditions Gallimard, Paris, 1971.)


Trabalho para dois alunos


Vânia Daniela Oliveira Almeida nº 42256

61. http://www.unb.br/fe/tef/filoesco/foucault/techniques.html


[em português] Michel Foucault, As técnicas de si


(< Les Techniques de soi >; Université du Vermont, outubro, 1982; trad. F. Durant-Bogaert). In: Hutton (P.H.), Gutman (H.) e Martin (L.H.), ed. Technologies of the Self. A Seminar with Michel Foucault. Anherst: The University of Massachusetts Press, 1988, pp. 16-49.


Traduzido a partir de FOUCAULT, Michel. Dits et Écrits. Paris: Gallimard, 1994, Vol. IV, pp. 783-813, por Wanderson Flor do Nascimento e Karla Neves


Trabalho para dois alunos


62. http://www.necso.ufrj.br/MM/Estudo%20das%20Tecnicas%20na%20Perspectiva%20das%20redes%20de%20atores.htm 


 MORAES, Marcia Oliveira, "Estudo das Técnicas na Perspectiva das Redes de Atores", Revista do Departamento de Psicologia da UFF, Niterói, v. 9, n. 2 e 3, p. 60-67, 1997.


Cidália Torres nº44209


 


63. http://www.cfh.ufsc.br/~wfil/hume.htm


Melancolia Filosófica , de David Hume


(excertos do final do Livro I do  A Treatise of Human Nature by David Hume (1739-40).


António Pedro Meneses da Silva Alves
nº 43908


64. http://www.cfh.ufsc.br/~wfil/searle1.htm


Racionalidade e realismo: O que está em jogo?


John R. Searle
Universidade da Califórnia em Berkeley


Nome: Rosa Adriana Dias da Silva nº 43918


 


65. http://www.comciencia.br/reportagens/2005/03/12.shtmlMárcio Barreto, "O significado do tempo: Einstein e Bergson"


"Einstein visita Paris em 1922 onde expõe para um seleto e entusiasmado público no Collège de France suas já consagradas e incompreendidas idéias. Em sua exposição do dia 6 de abril, um dos ouvintes, o filósofo francês Henri Bergson, observou que, apesar da euforia em torno da relatividade, o significado filosófico do tempo não era contemplado pela teoria conforme se supunha".


João Filipe Simões
Nr. 43930


66. http://www.culturabrasil.pro.br/trabalhoengels.htm


"Sobre o Papel do Trabalho na Transformação do Macaco em Homem" - Friedrich Engels


[em português]


Andreia Maria Machado Vale n.º 44669


 


67. http://www.culturabrasil.pro.br/rebeliaodasmassas.htm


A REBELIÃO DAS MASSAS de Jose Ortega y Gasset


Apenas o PRÓLOGO PARA FRANCESES (15 páginas) [em português]


Diana Pimenta nº 44674


67. http://www.culturabrasil.pro.br/dadesigualdaderousseau.htm


Discurso Sobre a Origem da Desigualdade de Jean-Jacques Rousseau(1712-1778)


Desde "PRIMEIRA PARTE - Por mais importantes que sejam... " (p. 12) até ao fim deste capítulo que acaba com este texto em negrito: "Mollissima corda Humano generi dare se natura fatetur, Quoe lacrymas dedit" (p. 21)


68 - http://marxists.org/espanol/m-e/1840s/manuscritos/man3.htm#3-4


Katl Marx, "El poder del dinero", in Manuscritos Económicos y filosóficos de 1844 [Tercer Manuscrito]


[em espanhol]


69. http://www.triplov.com/semas/jose_augusto/hybris.html


José Augusto Mourão, "HIBRIDISMO E SEMIÓTICA:
OS QUASI-OBJECTOS"
, in Revista de Comunicação e Linguagens, Universidade Nova de Lisboa,  nº 29, 2001.


 


 


70. http://atlas.sct.embrapa.br/pdf/cct/v15/cc15n207.pdf


Olívio A. Teixeira, "HÍBRIDOS DA MODERNIDADE, Registros da Natureza e da Sociedade Confundidos", in Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.15, n.2, Maio/Ago. 1998, pp. 129-131.


Vitor Manuel salgado Vaz Nº aluno: 43902 


71. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702001000200012


 Márcia de Oliveira Teixeira, "A ciência em ação: seguindo Bruno Latour", in História, Ciências, Saúde-Manguinhos vol. 8 Nº 1, Mar./Junho 2001, pp. 265-272.  Available from World Wide Web: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702001000200012&lng=en&nrm=iso




António Pires 43943

 

Marco Campos

----------------------------------------------------------------------


Estes serão os últimos textos para o trabalho prático (introduzidos em 6 de Maio de 2005).


---------------------------------------------------------------------


72. http://www.ufpe.br/eso/revista7/social.html


 NOTAS SOBRE A FENOMENOLOGIA SOCIAL DE SCHUTZ - CONSIDERAÇÕES ACERCA DE ALGUNS PRESSUPOSTOS FILOSÓFICOS - Maria da Assunção Calderano


[texto sobre a metodologia de Alfred Schütz]


 


73.  http://www.ufpe.br/eso/revista7/foucault.html


 FOUCAULT E O USO DA HISTÓRIA: Considerações Introdutórias - MARIA DE FATIMA PEREIRA ALBERTO1



  [FOUCAULT - METODOLOGIA DA SOCIOLOGIA- LIVRO VIGIAR E PUNIR]


 


 


74. http://www.ufpe.br/eso/revista5/ferreira.htm


<FONT s

Sábado, 7 de Maio de 2005

NOÇÕES PRÁTICAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS




Um bom texto de ajuda para o trabalho prático...


Está em:


http://www.uac.pt/~aborralho/guiasoc.htm


 

Álvaro Borralho, NOÇÕES PRÁTICAS PARA A REALIZAÇÃO DE TRABALHOS



 

--------------------------------------------------------------------------------------------------

Este guia pretende ser apenas isso: um guia prático para a realização de trabalhos escritos, individuais ou colectivos. Os seus objectivos são, portanto, limitados. Todavia, enunciam-se aqui alguns procedimentos que devem ser adoptados quando se realiza um trabalho escrito - relatório, ficha de leitura, etc. -, nomeadamente a sua apresentação, as partes constitutivas, a forma de citar, etc. Tratam-se, sobretudo, de indicações práticas, como já se referiu. Assim, não é de estranhar o recurso a exemplos e a demonstrações de diversos trabalhos.
Sexta-feira, 6 de Maio de 2005

Interaccionismo e Etnometodologia


L'Interactionnisme


 et l'Ethnométhodologie


Ce dossier de présentation a été réalisé au titre de la validation du module


"Approche multidisciplinaire des systèmes de formation",


DEA des sciences de l'éducation,


Université des sciences et technologies, Lille 2000.


Ver em:


http://perso.wanadoo.fr/abder.kenaissi/interactionnisme.htm


 


 

Quinta-feira, 5 de Maio de 2005

Caderno de textos de apoio na reprografia e no EASY learning

Aviso


O caderno de textos de apoio nº 2, referente às últimas aulas, estará disponível na reprografia a partir do dia 6 de Maio de 2005. As aulas também estarão disponíveis na plataforma de E-learning, EASY learning, em:


http://www.easy.uminho.pt/




Escolhem Universidade do Minho e depois colocam a vossa identificação para a UM como aluno e a vossa password de e-mail da UM.


Jose Pinheiro Neves
E-mail: jpneves_ri_05@yahoo.com.br

Segunda-feira, 2 de Maio de 2005

Alguns esclarecimentos sobre a avaliação e o método de estudo para um teste com consulta...

Questões acerca da avaliação e do método de estudo para o teste...

 





Um mail do Helder Sousa:

 

Como ainda não me foi possível estar com o professor, devido ao meu trabalho, queria, se possível, pedir uma informação.


Pretendia saber se a minha nota foi má, muito má, ou pouco má. Se possível,
pretendia saber o que fazer para melhorar a minha prestação nesta disciplina.


Pretendia saber ainda se, quem teve R, tem que fazer o exame total, ou se vai
haver, dentro dos "R?s", quem vai fazer exame parcial e se é esse o meu caso.


Peço desculpa pelo incómodo, mas esta é a única maneira de poder contactar o professor, pois como o meu horário de trabalho mudou é-me impossível ir às aulas, que eu acho que eram importantes para uma pessoa estar a par da
matéria, não querendo dizer com isto que o que se encontra no blog não
ajuda.

Um abraço e até à próxima.

Helder Sousa, aluno 44179




 

Helder

 

Vou partir do que me diz no seu mail.

 

"Pretendia saber se a minha nota foi má, muito má, ou pouco má".

 

Pode ver o seu teste e a minha avaliação no meu horário de atendimento (vários colegas já o fizeram). No entanto, os testes com Reprovado estão bastantes fracos pois erraram nas duas questões: há apenas uma distinção entre os que erraram totalmente e os que o fizeram parcialmente.

 

"Se possível,
pretendia saber o que fazer para melhorar a minha prestação nesta disciplina".


 

Poderá acompanhar as aulas práticas onde estamos sempre a fazer testes para o exame com perguntas possíveis e técnicas de resposta.

Mas a questão principal passa por não estudarem em função da vossa memória a curto prazo (para decorar). Por isso, terão de alterar a vossa metodologia de estudo para os exames de consulta: fazer resumos dos textos de apoio e das aulas. E, em seguida, imaginar perguntas a partir dos textos que serão a base das perguntas do exame (podem também consultar testes antigos no blog: http://metodologia.blogs.sapo.pt ). Neste caso, o texto que irá sair no exame tem vindo a ser resumido nas aulas práticas (partes de livro de Durkheim "O suicídio. Estudo sociológico").

 

"Pretendia saber ainda se quem teve R tem que fazer o exame total, ou se vai
haver dentro dos "R?s", quem vai fazer exame parcial e se é esse o meu caso".

 

De acordo com o Regulamento de avaliação (RIAPA está no site da Univ. Minho), deverá fazer o exame total no caso de ter negativa no teste do 1º semestre.

 

 

 

Para finalizar, um pedido: posso reproduzir este mail no blog da disciplina? Indique também se não se importa que apareça o seu nome ou se prefere anónimo.

 

Obrigado.

 

Saudações e boa sorte para si!

*Janeiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

*Entradas recentes

* Como é que as pessoas sub...

* Uma definição viável de M...

* Dicas para o teste

* Como escrever o trabalho ...

* password para a BB

* Resultados da avaliação d...

* Regras do exame de recurs...

* Atendimento extraordinári...

* Resultados da avaliação d...

* Data de afixação dos resu...

* Questão sobre o exame do ...

* Livros usados baratos na ...

* Exames: controlar a ansie...

* Data limite de entrega do...

* Prazos de inscrição nas c...

* A tristeza é anticientífi...

* Texto para o EXAME. Para ...

* O que é o método quantita...

* Como será o exame? Alguma...

* Aula Teórica de 30 de Mai...

*Arquivos

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Julho 2006

* Junho 2006

* Maio 2006

* Abril 2006

* Março 2006

* Fevereiro 2006

* Janeiro 2006

* Dezembro 2005

* Novembro 2005

* Outubro 2005

* Julho 2005

* Junho 2005

* Maio 2005

* Abril 2005

* Março 2005

* Janeiro 2005

* Dezembro 2004

* Novembro 2004

* Outubro 2004

* Agosto 2004

* Julho 2004

* Junho 2004

* Maio 2004

* Abril 2004

* Março 2004

* Fevereiro 2004

* Janeiro 2004

* Dezembro 2003

*Arquivos

* Janeiro 2011

* Dezembro 2010

* Novembro 2010

* Julho 2006

* Junho 2006

* Maio 2006

* Abril 2006

* Março 2006

* Fevereiro 2006

* Janeiro 2006

* Dezembro 2005

* Novembro 2005

* Outubro 2005

* Julho 2005

* Junho 2005

* Maio 2005

* Abril 2005

* Março 2005

* Janeiro 2005

* Dezembro 2004

* Novembro 2004

* Outubro 2004

* Agosto 2004

* Julho 2004

* Junho 2004

* Maio 2004

* Abril 2004

* Março 2004

* Fevereiro 2004

* Janeiro 2004

* Dezembro 2003

*Ligações na web

*subscrever feeds

*Amazon uk

*Amazon fr

*Combata o SPAM!

Ajude a Combater o Spam! Clique aqui!

*Rizomando...

Rizomando...Clique aqui!